HASH11: Tudo que você precisa saber sobre esse ETF!

O HASH11 é o primeiro ETF de criptoativos do Brasil e já estreou com saldo positivo na bolsa de valores. Com isso, ele promete tornar o mercado de moedas digitais mais acessível para o pequeno investidor que deseja fazer aportes em moedas digitais.

Confirmando o crescente interesse dos brasileiros pelo mercado, o índice é apenas o primeiro lançamento neste ramo, que já carrega maiores expectativas para estreias similares na B3.

Além disso, este é um universo que está em constante evolução e pode se tornar o futuro do mercado financeiro.

Entretanto, antes de começar a investir neste ativo, é fundamental conhecer mais sobre o tema e quais as possibilidades que ele oferece para o investidor brasileiro.

Cofnira a partir de agora, esse guia especial sobre o HASH11 e os diferenciais deste produto. Aqui, você vai conferir:

  • O que é HASH3;
  • Vantagens do HASH3;
  • Desvantagens do Fundo;
  • E se o HASH3 vale a pena neste momento.

Vamos lá?

O que é HASH11?

HASH11 é o código de identificação que representa o novo ETF da Hashdex, que estreou na Bolsa de Valores Brasileira (B3) em abril de 2021.

Oficialmente, seu nome é Hashdex Nasdaq Crypto Index (HNCI) Fundo de Índice, e em sua primeira semana de lançamento já se tornou o quinto maior ETF da bolsa brasileira.

Sua oferta primária levantou cerca de R$615,2 milhões, com mais de 28 mil pedidos de reserva antes da negociação, conforme comunicado da gestora do índice, Hashdex.

Desde sua estréia, o fundo emitiu cerca de 12 milhões de cotas, com um valor de R$47,02, além de taxa de ingresso de R$2,98, totalizando R$50.

Inicialmente, este será o valor mínimo de cota para que os investidores nacionais tenham acesso ao ETF.

O fundo marca o início da expansão de um novo mercado de criptoativos no Brasil, que se tornam mais acessíveis e simplificados para o investidor.

O que é ETF?

ETF é a sigla em inglês para Exchange Traded Fund, ou Fundo de Índices.

Basicamente, ele funciona como um fundo de investimentos negociado na Bolsa de Valores, como as ações.

No entanto, sua principal característica é que eles sempre acompanham um índice de referência. Assim, o papel do gestor é ajustar os componentes do fundo para que acompanhem esse indicador.

Por exemplo, o BOVA11, que tem o Ibovespa como índice. Nesse caso, se o Ibovespa apresentar alta de 10%, o fundo também deverá ter uma rentabilidade semelhante.

Entretanto, se o indicador recuar 10%, o ETF também acompanhará esse resultado.

Os ETFs são mais populares no exterior, mas o lançamento da HASH11 pode mudar esse cenário.

O que é o Nasdaq Crypto Index (NCI)

Esse é um indicador desenvolvido pela bolsa americana Nasdaq, em parceria com a gestora Hasdex, com o objetivo de acompanhar a movimentação global do mercado de criptomoedas.

Entretanto, para entender o HASH11, também é necessário conhecer o índice que ele replicará, o Nasdaq Crypto Index (NCI).

Dessa forma, podemos dizer que a composição dessa cesta inclui 6 ativos, que possuem um recálculo trimestral de seus índices.

Até o momento, a porcentagem de cada criptomoeda que integra o NCI são:

  • Bitcoin (80,37%);
  • Ethereum (16,35%);
  • Litecoin (1,19%);
  • Chainlink (0,94%);
  • Bitcoin Cash (0,64%);
  • Stellar Lumens (0,50%);

Inclusive, antes do lançamento do HASH11 no Brasil, o País não possuía nenhum fundo de índice focado em moedas digitais.

Por isso, embora o foco desse ETF seja o Bitcoin, espera-se que os investidores tenham mais acesso ao mercado de criptos com outras moedas em breve para conseguir movimentar diferentes ativos de maneira simultânea.

Quais as vantagens do HASH11?

Por ser o primeiro produto financeiro do tipo disponível na B3, o HASH11 oferece uma série de vantagens para o investidor, em comparação a outros ativos financeiros.

Conheça abaixo alguns dos principais:

Regulação

Uma das características do mercado de criptomoedas é a falta de regulação e descentralização entre os contratos de compra e venda feitos pelos investidores.

Assim, mesmo com a segurança da tecnologia blockchain que possibilita a emissão dessas moedas digitais, ainda existem chances de fraudes.

No entanto, os ETFs precisam respeitar algumas regras globais de negociação do mercado de capitais para existir.

Dessa forma, o HASH11, como um ETF de criptos, deve seguir essa regulação e, com isso, se torna um investimento devidamente controlado.

Inclusive, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou a negociação da HNCI na B3, possibilitando um acesso regulado à criptomoedas pela primeira vez.

Simples e acessível

Muitos investidores deixam de adquirir criptoativos por conta da falta de acessibilidade a esse produto.

Geralmente, é necessário abrir uma carteira digital especial em uma exchange, uma corretora de criptoativos.

Entretanto, para investir no HASH11, basta entrar em contato com a sua corretora usual, uma vez que se trata de um ativo negociado normalmente na Bolsa.

Diversificação de carteira

Uma das principais vantagens do HASH11 é a diversificação de ativos que ele proporciona.

A princípio, o investidor passará a um fundo de criptomoedas em sua carteira com bastante expansão, principalmente no mercado brasileiro.

Além disso, esse ETF já é dolarizado. Isso significa que, mesmo investindo em reais, a aplicação estará exposta ao mercado de dólar.

Dessa forma, além de proporcionar ganhos na moeda internacional, o componente também diversifica a carteira do investidor em mais de uma maneira, por meio de um fundo de índice de criptos dolarizados.

E quais as desvantagens do HASH11?

Por outro lado, existem alguns pontos de atenção que o investidor deve ter antes de adquirir cotas do HASH11. Confira algumas desvantagens deste ativo:

Falta de estabilidade

O mercado de criptomoedas é conhecido por ter uma forte volatilidade, com mudanças significativas em um pequeno período de tempo.

Dessa forma, o HNCI ETF não possui grande estabilidade, podendo representar um alto risco para o investidor que não está acostumado com esse segmento.

Menor rentabilidade

Além disso, investir em um ETF como o HASH11 expõe o investidor a menos riscos relacionados às criptomoedas, mas também reduz sua rentabilidade.

Isso porque os criptoativos podem ter uma alta valorização em pouco tempo, assim como uma queda brusca.

Assim, o investidor pode ter uma maior proteção contra a volatilidade, mas sacrifica parte da rentabilidade no processo.

Taxação

Por fim, os fundos de índice são taxados pela Receita Federal no caso de lucros sobre a venda do ativo.

Dessa forma, se o investidor realizar a compra do fundo e revendê-lo com lucros, deverá realizar o pagamento de impostos incidentes.

Assim, embora a regulação ofereça uma maior segurança, a taxação é uma das suas consequências negativas.

Vale a pena investir no HASH11?

O novo fundo de índice HNCI veio para revolucionar o mercado financeiro, e tornar as criptomoedas mais acessíveis para o investidor brasileiro.

Com este ETF, é possível diversificar a sua carteira de investidor com criptos, de maneira simplificada e segura.

Além disso, o índice de referência global e a crescente valorização das moedas que compõem a cesta podem aumentar a rentabilidade.

No entanto, como todo ativo de renda variável, é importante ficar atento para a volatilidade dos criptoativos, e ter mais experiência no mercado antes de investir nesse produto.

Dessa forma, será possível ter uma atuação mais confiante e administrar o fundo da melhor maneira possível.

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo