Atualização da carteira do Ibovespa deve contar com Inter e Méliuz

A B3 dinvulgou de forma oficial nesta segunda-feira (2) a primeira prévia da nova carteira do Ibovespa, que passará a entrar em funcionamento entre setembro à dezembro deste ano.

Além dos ativos tradicionais, o índice deve contar com pelo menos cinco novos papéis, empresas essas muito aguardadas pelos investidores para compor a carteira ao longo deste ano.

Entre elas, empresas como Alpargatas (ALPA4), Banco Inter (BIDI4), Méliuz (CASH3) e Banco Pan (BPAN4) devem fazer parte das outras 80 ações que fazem parte da carteira do Ibovespa. 

E mesmo com essas alternativas, até o final de agosto a B3 deve anunciar mais ativos que devem ser inseridos ao produto financeiro para o próximo ciclo anual.

Desta forma, as fatias de composição do índice devem ser divididas da seguinte forma:

  • Alpargatas (ALPA4): 0,372%;
  • Banco Inter (BIDI4): 0,107%;
  • Banco Pan (BPAN4): 0,302;
  • Méliuz (CASH3): 0,264%;
  • Rede D’O: (RDOR3): 0,719.

A metodologia da carteira do Ibovespa

A carteira do Ibovespa tem o costume de realizar ajustes a cada quatro meses. Ou seja, sempre em meses como janeiro, maio e setembro de cada ano, O Ibovespa seleciona algumas ações que tiveram maior valorização de modo geral. 

Entre os critérios de avaliação, a B3 leva em conta a regularidade dos ativos, volume financeiro relevante no mercado.

Além disso, as empresas não podem ser consideradas “penny stocks” para estarem na carteira do Ibovespa. Isso significa que, ativos negociados a valores inferiores a R$ 1,00 não possuem espaço neste mercado.

Até o momento, algumas das principais empresas do País continuam sendo as detentoras da maior participação do índice, como:

  • Vale (VALE3): 14,025%;
  • Itaú (ITUB4): 6,22%;
  • Petrobras PN (PETR4); 5,282%.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo